Mao Abe é uma cantora de pop e rock japonesa que teve seu debut em 2009, entre suas influências estão grandes nomes como ASIAN KUNG-FU GENERATION, Ayumi Hamasaki e RADWIMPS. O seu sétimo álbum de estúdio Babe. (download) está nas lojas e vamos conferir de perto esse lançamento aqui no Japonesque Divas, a cantora conseguiu se manter atenta ao mercado e lançar um projeto mais refinado ou se manteve em um piloto automático como grande parte das solistas? Vamos conferir:

O disco começa de forma pouco promissora com “Ai Mitai no Mono“, seu andamento é singelo e seu arranjo é bem delicado, o que trás uma abertura morna e sem grande nuances ou surpresas, mesmo que seja uma ouvida agradável. O desconforto com sua abertura fica mais visível quando faixas mais grunges e efervescentes como “Yukisou na Hero to Nuka ni Kugio” e “Don’t let me down” surgem, a primeira soa como um rock pesado dentro de um estilo mais Foo Fighters ou até mesmo Nirvana, enquanto a segunda faixa vai mesclar um clima mais country com o rock, lembrando um pouco canções de Elvis Presley ou Nickelback.

O álbum parece recuperar sua diretriz e manter o nível com “You Said Goodbye” que consegue trazer uma série de elementos bastante interessantes para os versos saindo da zona comum, tendo um refrão mid-tempo bem pegajoso. A balada “Haha de Aru Tame ni” consegue uma posição favorável dentro do disco ainda mais que ela é bem acústica e combinou muito bem dentro da sequência, fazendo com que sua ouvida ficasse mais agradável do que o single solto.

O clima acústico se mantém com “Kono Toki wo Shiawase to Yobou“, que tem um ar mais vibrante que a anterior, a faixa ganha guitarras ácidas após o primeiro refrão, o que realmente te desperta para a música, fazendo com que ela fique mais interessante. O erro da canção foi em demorar para ter essa virada, poderia ser entre o pré-refrão e o refrão, ao invés de levar uma boa parte da música para chegar nesse momento.

Sabendo inovar de maneira interessante vem “You changed my life” que trás um clima mais rock anos setenta com um pouco de country, com todo um colorido e doçura atrelado a uma técnica vocal que remete as canções mais clássicas do country, mantendo uma coesão bem interessante. “Hello, Brand New Days” tem um ar bem Beatles, porém os vocais estridentes tiram toda a beleza da faixa, mesmo que sua produção tenha se esforçado para fazer ela interessante e agradável, a técnica e tom escolhidos prejudicam seu desempenho. O clima de pop/rock dos anos setenta não se perde em “Bye Bye“, aqui é acrescentado elementos do j-country firmado por Kana Nishino atrelado a um bom bater de palmas em seu refrão, porém todo o arranjo da música é que dá um clima mais interessante, os vocais mais uma vez pecam, mas aqui é mais agradável. A atmosfera mais progressiva retorna com “gasp” que é uma faixa boa, mas cheia de pequenos deslizes como por exemplo demorar de apresentar um refrão e quando ela apresenta não soa tão grandioso como deveria, e essa música poderia abrir o disco muito bem ao invés de “Ai Mitai na Mono“. A intensidade fica maior em “POSE” que tem um andamento acelerado e cheio de grandes momentos, a cada verso novos andamentos são adicionados sem perder sua pressão, o que realmente faz com que a faixa seja bem marcante.

O álbum se mostra perdido mais uma vez ao sair de “POSE” para “Onnatachi“, pois você sai de um clima intenso para algo mais alegre e doce, semelhante ao que estava sendo apresentado até “Bye Bye“. De qualquer forma “Onnatachi” é bem inofensiva, ainda mais após “POSE“, e tem um ar bem fofo e delicado, mas diferente das outras aventuras da cantora pelo j-country, aqui parece que algo em sua produção não encaixa tão bem. “Senakai” encerra o disco de uma maneira bem intimista, até mais do que “Haha de Aru Tame Ni“, seja pelos vocais mais sussurrados ou por ser uma canção voz e violão. Porém a faixa é pouco promissora, ela não acontece nada de muito interessante, mesmo que sua performance vocal seja boa, ela não emociona.

201702031518422_0

Babe. é um disco que realmente parece promissor, mas suas falhas acabam afetando de fato toda a obra, além de possuir treze faixas que duram quase uma hora de música. A quantidade de músicas soa desnecessária já que algumas faixas soam uma versão menos sofisticada do que já foi apresentado antes. Sua tracklist também é pouco funcional, e patina em seu início e desfecho o que realmente só deixa mais evidente uma falta de dedicação em sua produção. Entretanto Babe. trás sonoridades e vertentes do rock que realmente são interessantes e criam atmosferas intensas e até mesmo mais doces sem perder a coesão de sua proposta musical.

babe11. Ai Mitai na Mono 63/100
2. Yukisou na Hero to Nuka ni Kugio 80/100
3. Don’t let me down 78/100
4. You Said Goodbye 75/100
5. Haha de Aru Tame ni 62/100
6. Kono Toki wo Shiawase to Yobou 70/100
7. You changed my life 68/100
8. Hello, Brand New Days 58/100
9. Bye Bye 70/100
10. gasp 75/100
11. POSE 80/100
12. Onnatachi 60/100
13. Senaka 50/100
Anúncios

2 comentários em “ALBUM REVIEW: Mao Abe – Babe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s