E chegou o tão esperado BEST quarto disco de estúdio das E-Girls, que conseguiu superar o feito do Uncontrolled e apresentar apenas cinco faixas em dois discos, enquanto a Namie deu aos fãs quatro faixas novas. Resta saber se o E.G CRAZY consegue soar mais coeso e trazer novas canções que realmente surpreendam. Isso e tudo mais você confere em nossa review, mas como sempre não deixe de fazer o download e ter suas próprias conclusões sobre o disco e conhecer a banda.

O disco abre com “Anniversary!!” que é uma faixa bem colorida que tem sabe guiar bem o ouvinte até um refrão bem vibrante, mas ela soa um tanto inofensiva, por não ter um momento que marque tanto. É uma faixa típica usada para fechar shows no Japão, consigo ver até o momento em que as toalhas vendidas como brides ficam girando e as meninas cantando. Já “E.G. summer RIDER” tem uma muito mais impacto logo na introdução e versos, deixando você bem instigando para o que vai acontecer, mas infelizmente a banda vai mudando a atmosfera mais eletrônica para uma sonoridade mais pop rock e a faixa meio que perde parte do seu brilho, mas ainda sim soaria uma melhor abertura do disco do que antecessora.

Saturday Night” parece que vai te oferecer realmente algo incrível por sua introdução distinta lembrando algo meio cabaré, e então somos arremessados a um pop rock que não tem nada marcante que só dá pra soar como filler do disco, e o mesmo pode se dizer de “HARAJUKU TIMEBOMB” que não oferece nada na faixa, ela parece ligar no 220 volts em seu andamento, mas o que salva é que ela tem certo vigor em te manter desperto com seu jeito líder de torcida de cantar, mas só isso mesmo. E vem uma balada romântica bem doce e leve “White Angel” que vai crescendo e se torna de fato encantadora de maneira muito delicada ela vai te envolvendo e você consegue de fato se apaixonar por ela, além de ter um teor radiofônico.

Não sei como alguém coloca uma faixa de natal dentro de um disco aleatório como faixa oficial e não como faixa bônus para encerrar o disco, mas fazer o quê? Estamos aqui na sexta faixa e somos jogados para Dezembro onde canções como essas vão ter seu real valor, mas de forma sincera eu gostei de “Merry×Merry Xmas★“, por apostar em uma canção mais animada e cheia de vida do que uma balada comum, então é um ponto para as E-Girls, e de verdade a faixa é boa. Já “Party In The Sun” é uma faixa que é agradável sem nada de novo nas E-Girls, principalmente comparada nas outras faixas do disco, mas o break dessa música é realmente muito bom e merece aí seu destaque. E finalmente o álbum tem sua faixa que você pode dizer que é chama totalmente sua atenção, com cara de que foi produzida por Daft Punk, “FASCINATION” faz com que o lado POP das meninas tenha seu valor e provavelmente uma das melhores faixas que as meninas já apresentaram, destaque para o rap que tem uma função essencial para essa canção. “Kikai Shikake no Bye Bye!” e “STRAWBERRY Sadistic” são canções oficialmente feitas apenas para preencher o disco, pois sinceramente é apenas o que já foi apresentado de forma menos sofisticada. Encerrando o disco temos na sequência “Shukko Sa! 〜Sail Out For Someone〜” que combina perfeitamente com um clipa mais mid-tempo e agradável para fechar o álbum dentro do que ele realmente se propõe sem manchar sua tracklist, e logo depois vem o cover do EXILELove, Dream & Happiness” que é uma balada de quase sete minutos e o pior de tudo é que o que mais acontece na faixa é apenas o nada, ela não emociona e você não sente nem que chegou o refrão.

DISC 1

1. Anniversary!! 68/100
2. E.G. summer RIDER 73/100
3. Saturday Night ~Rock na Yoru ni Mahou wo Kakete~ 62/100
4. HARAJUKU TIME BOMB 63/100
5. White Angel 75/100
6. Merry×Merry Xmas★ 73/100
7. Party In The Sun 72/100
8. FASCINATION 80/100
9. Kikai Shikake no Bye Bye! 63/100
10. STRAWBERRY Sadistic 65/100
11. Shukko Sa! 〜Sail Out For Someone〜 66/100
12. Love, Dream & Happiness (EXILE cover) 49/100

E o lado COOL das meninas começa com “All Day Long Lady” que a gravadora fez o favor de na versão do álbum excluir a invasão trash de “HARAJUKU TIMEBOMB” e fez com que a faixa soasse mais redonda, e funcionar de fato. Diferente do que provavelmente metade dos jotapopeiros, não acho “Pink Champagne” a melhor faixa da banda, e é uma canção que sabe se desenvolver de maneira bem agradável, os vocais sussurrados soam bem sensuais, mas o refrão poderia ser mais redondo, mas mesmo assim ela funciona.

E quem surpreende é “Hey You” que trás uma faixa eletrônica realmente boa e marcante para o álbum que começa se mesclando aí a um reggaeton e sax, e para não te enjoar com o instrumento mais batido do pop (sax), as meninas fazem uma ponte para o refrão quase acústica com uma guitarra que vai crescendo até o momento explodir. Já “CautioN” trás algo semelhante ao que Ariana Grande realmente tornou popular (pop/R&B+sax) e o andamento da música realmente lembra um pouco Focus, mas de verdade a faixa funcionou e é bem agradável de ouvir. E sem razão alguma o álbum retoma a faixa eletrônica, com “Boom Boom Christmas“, a faixa é divertida e sabe te envolver do início ao fim, porém ficou mal colocada vir após “CautioN“, mas ao menos a produção mantém a atmosfera eletrônica com “EXPRESS -Do Your Dance-” que tem muitos elementos aqui dentro dessa faixa, muita coisa acontece ao longo de sua produção, alguns pontos foram positivos e outros nem tanto, o que deixou um ar meio agridoce entre ser uma faixa boa ou um filler.

Se eu pudesse falar algo de ruim de “Dance Dance Dance” é só onde a canção tá localizada após duas faixas eletrônicas, mas vamos curtir um bom Motown bem gostoso com aquele ar bem anos setenta do início ao fim, além de oferecer um refrão que realmente marca você, atrelado a uma ótima performance vocal. A mesma vibe se mantém em “Bad Girls“, ela remente bastante “Uptown Funk” em uma versão feminina, a faixa ficou bem interessante no vocal das meninas e soube realmente entreter e soar memorável. E-Girls se encontram com Avicii em “Cowgirl Rhapsody“, tendo aquela introdução bem característica de country com edm, se desenvolve de maneira agradável até o refrão que funciona bem até surgir um verso cantado após o “Oh Oh Oh” e parecer desconexo com a música, mas no geral ela consegue se manter de maneira interessante.

E mesmo ouvindo esse disco chego a conclusão que “DANCE WITH ME NOW!” continuará sendo a melhor faixa das E-Girls, a música soa perfeita, abre já te deixando vidrado no que vai acontecer e antes do refrão chegar você já sabe cantar ele inteiro, em um resumo da obra é uma faixa redonda que não apresenta erros, quem sabe o kpop não me lança algo assim ainda. Óbvio que qualquer coisa que sucedesse a icônica “DANCE WITH ME NOW!” jamais conseguiria ofusca-la ou manter o nível do disco, mas “Bon Voyage” é um tropical house doce e leve, mesmo sendo um sub-gênero desgastado, gostei de como as meninas souberam aproveitar sua produção e fazer algo com a identidade delas.

Como assim isso aqui é melhor que Champanhe Rosa?” Bom, eu gosto do fato dessa faixa soar algo que seria lançado facilmente lá nos anos 2000 mesclando aí uns elementos mais atuais para conseguir dar uma fechada legal na música. Sinceramente o único defeito é que seu refrão não é tão animador quanto os versos, mas sua produção é mais original que qualquer faixa eletrônica (só ver que o disco teve várias faixas nesse segmento que se destacam mais que “Pink Champagne“), logo fica aí o bônus para “Go! Go! Let’s Go!“.

DISC 2

1. All Day Long Lady 70/100
2. Pink Champagne 73/100
3. Hey! You! 80/100
4. CautioN 76/100
5. Boom Boom Christmas 72/100
6. Express -Do Your Dance- 70/100
7. Dance Dance Dance 92/100
8. Bad Girls 77/100
9. Cowgirl Rhapsody 74/100
10. DANCE WITH ME NOW! 100/100
11. Bon Voyage 75/100
12. Go! Go! Let’s Go! 74/100

egcrazy.png

No que tange a parte da produção o lado POP soube ser mais feliz em organizar as faixas de uma forma que conseguisse deixar o álbum mais reto e sem tantas faixas avulsas ali dentro, o que não dá para dizer do COOL que tinha tudo para ser tão coeso quanto o anterior, mas simplesmente decidiram sanduichar faixas de Pop e Pop/R&B entre canções eletrônicas, sendo que podiam estar mais próximas e criar passagens menos bruscas, mas o que esperar de um disco que se tem apenas uma média de duas faixas inéditas em cada um? Infelizmente é o que pode acontecer. Mas apagando esse deslize, E-Girls trás dois discos consistentes que passam duas imagens da banda de maneira bem interessante, apesar de que as produções do COOL foram mais bem trabalhadas em seus arranjos conseguindo apresentar uma variedade de elementos que fizeram seu disco ser realmente mais marcante. E.G Crazy é um bom disco para apresentar a banda para o público que não a conhece ou para quem não acompanhou todos os singles seja comprando ou baixando, tendo como única falha soar como uma coletânea devido a forma como foi organizado.

Anúncios

5 comentários em “ALBUM REVIEW: E.G CRAZY – E-Girls

  1. Como assim vc não acha Pink Champagne a melhor faixa das E-girls? Tô viciado nesse troço até hj!
    DANCE WITH ME NOW realmente é uma das melhores coisas que elas já lançaram, mas pra mim peca por eu achar ela longa demais (aquele último refrão poderia ser cortado sem problemas).
    Ainda vou baixar o LP pra ver as inéditas (pff), mas realmente é foda baixar um Studio Álbum que mais parece um BEST (a próxima coletânea delas pelo visto vai ter uns 10 discos com 15 faixas cada)

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s